Get Adobe Flash player
001_Postal
002_Postal
003_Postal
004_Postal
01 (2)
01
04
05
06 (2)
06
07 (2)
07
08
09
10
11
12 (2)
12
13
14
15
18
20
21
23
23042009069
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
38
39
40
41
42
43
44
45
A-Descri��o Ilha de Mo�ambique
B-Postal Ilha de Mo�ambique
C-Ilha de Mo�ambique
D-Ilha de Mo�ambique
E-Ilha de Mo�ambique
F-Ilha de Mo�ambique
G-Ilha de Mo�ambique
Gorongosa3b
H-Ilha de Mo�ambique
I-Ilha de Mo�ambique
J-Ilha de Mo�ambique
K-Fazenda Muchelia
L-Fazenda Muchelia
M-Fazenda Muchelia
N-Fazenda Muchelia
O-Fazenda Muchelia
P-Fazenda Muchelia
Q-Fazenda Muchelia
R-Fazenda Muchelia
S-Fazenda Muchelia
T-Fazenda Muchelia
U-Fazenda Muchelia
V-Reformados da fazenda
X-A caminho da fazenda
Z- A caminho da fazenda
ZAA- Chegada a Nampula
ZAB-Viagem Nampula-Ilha
ZAC-Viagem Nampula-Ilha
ZAD-Viagem Nampula-Ilha
ZAE-Viagem Nampula-Ilha
ZAF-Viagem Nampula-Ilha
ZAG-Viagem Nampula-Ilha
Eventos APM

Novas iniciativas da APM brevemente!

Donativos

Para promover o desenvolvimento cultural, cívico, económico e social de ambos os povos português e moçambicano torna-se necessário o seu contributo, o seu donativo, seja benemérito, apoie esta Associação transfira o seu valor pequeníssimo que seja, para as contas abaixo indicadas e dê-nos, se assim o entender, os seus elementos identificativos.

Banco Espírito Santo(BES)

 

NIB

 

0007 0404 00133490007 85

 
Ficha de Inscrição

Ficha de Inscrição para Sócios

Download versão docx

Download versão Word97/2003

    
Inicio

postheadericon Notícias

postheadericon Segunda barragem no rio Zambeze

Moçambique vai ter uma segunda barragem no rio Zambeze para produzir energia, a poucos quilómetros de Cahora Bassa, um investimento de 2,4 mil milhões de dólares que quase duplica a produção de electricidade do país. A barragem, Mphanda Nkuwa, será construída pela construtora brasileira Camargo Corrêa. O investimento, um dos maiores em Moçambique nos próximos anos, 2,4 mil milhões de dólares, representa um quarto do produto interno bruto do país (que não chega a 10 mil milhões de dólares) e deve estar pronto dentro de seis anos, com as obras a começarem no final do próximo ano. "A construção está prevista para 56 meses, sendo que a primeira das quatro turbinas, de 350 megawatts cada, entra em operação 50 meses após o início da construção", explicou à Lusa Raúl Giesta, administrador executivo da HNMK, empresa que vai construir a barragem e que é formada pela Camargo Corrêa e pelas moçambicanas EDM (electricidade) e INSITEC. Ao todo, a barragem de Mphanda Nkwua vai produzir, numa primeira fase, 1500 megawtts de energia, 20 por cento dos quais para Moçambique e o restante para exportar. Cahora Bassa, a maior barragem de Moçambique e das maiores de África, atingiu recentemente o máximo de produção, 1920 megawatts. Raúl Giesta explicou que a nova barragem terá um comprimento de 700 metros e 86 metros de altura máxima acima da fundação, com um descarregador de cheias compreendendo 13 comportas.Será construída a 61 quilómetros a jusante de Cahora Bassa, 70 quilómetros da cidade de Tete e 1500 de Maputo, a capital moçambicana. Mphanda Nkwua é o maior investimento em África da Camargo Corrêa, que é a maior construtora de hidroeléctricas do mundo e a responsável, entre outras, pela barragem de Itaipu, no rio Paraná, com uma capacidade de produção de 14000 megawatts. "A Camargo Corrêa já produziu cerca de 50 gigawatts de potência, o que equivale a sete por cento da capacidade mundial de geração hidroeléctrica", disse Raúl Giesta. Em entrevista à Lusa em Maputo lembrou que a Camargo Corrêa Moçambique, dirigida por Armando Vara, está também envolvida na construção de uma mina de carvão (da também brasileira Vale) igualmente em Tete, e na reabilitação da linha férrea de Nacala. Além do Brasil, a multinacional já construiu barragens, por exemplo, na Venezuela e na Colômbia, em Angola está envolvida na reabilitação de estradas, uma das áreas em que a empresa mais se destaca no Brasil, ainda que controle também o maior estaleiro do mundo (Atlântico Sul, no nordeste) e invista no calçado, sendo da Camargo Corrêa a marca de chinelos Havaiana, conhecida mundialmente. Até agora a ESKOM, a companhia sul-africana de produção e distribuição de energia elétrica, ainda não garantiu a compra da energia que a barragem vai produzir mas o ministro moçambicano da energia, Salvador Namburete, já disse que "Mphanda Nkuwa foi concebida para o desenvolvimento de Moçambique" e que o país quer usar a electricidade tanto mais que há projectos paralisados devido à escassez de energia.

Fonte: RM  

 

postheadericon Seminário "Desafios de Crescimento Economico e do Emprego"

Inicia-se hoje, em Maputo, o seminário sobre os “Desafios de Crescimento Económico e do Emprego”, encontro promovido pelo Governo através do Ministério da Planificação e Desenvolvimento, em coordenação com o Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional (FMI), DFID e Banco Africano de Desenvolvimento (BAD). O seminário, que contará com mais de 100 participantes provenientes de várias organizações nacionais e estrangeiras, constitui um passo importante na definição de políticas económicas para os próximos anos. De acordo com o director de Estudos do Ministério da Planificação e Desenvolvimento (MPD), António Cruz, o seminário vai centrar-se na discussão do mecanismo de desenvolvimento da agricultura e criação de emprego, aspectos prioritários para o desenvolvimento do país. Para António Cruz, o actual nível de desempenho do sector da agricultura lança sérios desafios aos moçambicanos, uma vez que “a maior parte da população vive da agricultura, mas a produtividade mantém-se a um nível ainda baixo, a tecnologia é manual, etc.”Em relação ao capítulo do emprego, o director de estudos do MPD refere que “temos uma grande população com muitos jovens, mas não temos ainda uma dinâmica de facilidade de criação de emprego e desenvolvimento, em qualquer área”. Os investimentos públicos integrados e a questão da pobreza rural são outros temas que serão debatidos durante as discussões.

Fonte: O Pais


 

 

postheadericon Primeiro silo pronto a funcionar entre Março e Abril

Entrará em funcionamento entre Março e Abril próximo o primeiro silo dos 18 que estão a ser construídos em diferentes pontos do país para o armazenamento de cereais no quadro do Plano de Acção para a Produção de Alimentos (PAPA). Com capacidade de acondicionar mil toneladas de cereais, este silo é um dos quatro localizados na província de Sofala. Falando semana finda em Maputo, o Ministro da Indústria e Comércio, Armando Inroga, que não especificou se se trata de uma das unidades em obras no distrito de Gorongosa ou Nhamatanda, disse que a construção do silo está praticamente terminada, faltando apenas alguns retoques finais. Os 18 silos fazem parte do primeiro lote de unidades de armazenamento de cereais com capacidade para 18 mil toneladas em construção em Nhamatanda e Gorongosa (Sofala), Iapala (Nampula), Cuamba (Niassa) e Milange, na Zambézia. No entanto, prepara-se o arranque da construção dos restantes 21 silos em Angónia (Tete), Alto Molócuè (Zambézia), Ancuabe (Cabo Delgado), Lichinga (Niassa) e Malema (Nampula), que até 2014 permitirão que o país tenha capacidade para acomodar 39 mil toneladas de alimentos. A gestão de todos os 39 silos que estarão a funcionar em 2014 será entregue a privados, na perspectiva de garantir competitividade e favorecer os camponeses no processo das trocas comerciais. Os gestores destas infra-estruturas serão seleccionados através de concursos públicos, para garantir a transparência no processo. A expectativa do Governo em relação aos silos é que seja possível assegurar e facilitar o escoamento e armazenagem de cereais, absorver os excedentes das localidades circunvizinhas e promover o pagamento de um preço justo ao produtor. Aliado à entrada em funcionamento do primeiro silo, Armando Inroga disse que as estratégias governamentais têm em vista a criação de unidades de processamento dos produtos agrícolas nas zonas rurais, o que poderá impulsionar a produção do sector familiar.

Fonte: Noticias  

 
Ver Mais...
Faixa publicitária
Publicidade
Galeria de Eventos
  • Conversa com o músico moçambicano Patxutxu:
    “ A vida de um artista Moçambicano em Portugal!”

  • Reabertura do Bar Espaço Moçambique

  • "Moçambique - Imagens de um país real..." - Exposiçao de Fotografia de Ana Rita Martins

  • "Comemoração do Dia 4 de Outubro, Dia da Paz em Moçambique e Dia 5 de Outubro, Implantação da Republica"