Get Adobe Flash player
001_Postal
002_Postal
003_Postal
004_Postal
01 (2)
01
04
05
06 (2)
06
07 (2)
07
08
09
10
11
12 (2)
12
13
14
15
18
20
21
23
23042009069
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
38
39
40
41
42
43
44
45
A-Descri��o Ilha de Mo�ambique
B-Postal Ilha de Mo�ambique
C-Ilha de Mo�ambique
D-Ilha de Mo�ambique
E-Ilha de Mo�ambique
F-Ilha de Mo�ambique
G-Ilha de Mo�ambique
Gorongosa3b
H-Ilha de Mo�ambique
I-Ilha de Mo�ambique
J-Ilha de Mo�ambique
K-Fazenda Muchelia
L-Fazenda Muchelia
M-Fazenda Muchelia
N-Fazenda Muchelia
O-Fazenda Muchelia
P-Fazenda Muchelia
Q-Fazenda Muchelia
R-Fazenda Muchelia
S-Fazenda Muchelia
T-Fazenda Muchelia
U-Fazenda Muchelia
V-Reformados da fazenda
X-A caminho da fazenda
Z- A caminho da fazenda
ZAA- Chegada a Nampula
ZAB-Viagem Nampula-Ilha
ZAC-Viagem Nampula-Ilha
ZAD-Viagem Nampula-Ilha
ZAE-Viagem Nampula-Ilha
ZAF-Viagem Nampula-Ilha
ZAG-Viagem Nampula-Ilha
Eventos APM

Novas iniciativas da APM brevemente!

Donativos

Para promover o desenvolvimento cultural, cívico, económico e social de ambos os povos português e moçambicano torna-se necessário o seu contributo, o seu donativo, seja benemérito, apoie esta Associação transfira o seu valor pequeníssimo que seja, para as contas abaixo indicadas e dê-nos, se assim o entender, os seus elementos identificativos.

Banco Espírito Santo(BES)

 

NIB

 

0007 0404 00133490007 85

 
Ficha de Inscrição

Ficha de Inscrição para Sócios

Download versão docx

Download versão Word97/2003

    
Inicio

postheadericon Notícias

postheadericon Acordo de descentralização vai impulsionar economia

Associação das Pequenas e Médias Empresas de Moçambique (APME) considera o acordo alcançado entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama um acontecimento histórico e uma prova viva da democracia. A APME entende que ao comprometer-se em submeter a proposta de descentralização à Assembleia da República, o Chefe de Estado deu garantias de que este é um processo irreversível que vai conferir mais oportunidades às PME centradas localmente, visto que o consenso vai assegurar a tranquilidade e livre circulação de pessoas e bens e ao mesmo tempo, restabelecer a confiança dos investidores, aumentando, desta forma, a produção e produtividade.A associação encoraja Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama a prosseguirem com o diálogo a mais alto nível e apela à Assembleia da República a acolher os consensos alcançados, por forma a acomodar a vontade do povo na lei.

Fonte: O Pais

 

postheadericon Volume de carga no porto de Maputo aumenta em 22 por cento

O Porto de Maputo aumentou em 22 por cento o volume de manuseamento de carga em 2017. O aumento do volume de carga foi influenciado pela dragagem na infraestrutura concluída em Janeiro do ano passado. Em 2016 o Porto de Maputo manuseou 14.9 milhões de toneladas e no ano passado 18.2 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 22 por cento no volume de manuseamento de carga. Segundo um comunicado da Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) este aumento deveu-se em grande parte pelo aumento da profundidade do porto de 11 metros para 14.2 metros. “A dragagem permitiu um aumento de 40 por cento da capacidade de carga em Maputo e de 55 por cento da capacidade de carga na Matola”, afirmou o Director Executivo Osório Lucas. Quanto ao manuseamento de carga por via ferroviária, no ano passado verificou-se uma tendência crescente. “O volume ferroviário da principal carga manuseada pelo porto de Maputo, ferrocrómio e crómio, cresceu em quase 100 por cento (de 411.000 toneladas em 2016 para quase 1 milhão em 2017)”, lê-se no comunicado. Para 2018, o MPDC adianta ainda que, no segundo trimestre, vai reabilitar os cais 6,7,8 e 9 para permitir a recepção de navios de maior calado. A empresa gestora do Porto de Maputo pretende desenvolver mais projectos com vista responder a demanda do mercado regional e aumentar as quantidades de carga manuseadas. A empresa tem por objectivo manusear 30 milhões de toneladas até ao final da concessão.

Fonte: O Pais

 

postheadericon Paulo Borges Coelho vence Prémio BCI de Literatura

O escritor moçambicano, Paulo Borges Coelho, venceu a 8ª edição do Prémio BCI de Literatura, terça-feira, com a obra “Ponta Gea”, lançada no ano passado. Com a conquista, Borges Coelho repete a proeza alcançada na 1ª edição, em 2010, com a obra “O olho de Hertzog”. João Paulo Constantino Borges Coelho nasceu no Porto, Portugal, em 1955. Cedo rumou à Moçambique, tendo adquirido a nacionalidade. Licenciou-se em História pela UEM e posteriormente, fez Doutoramento em História Económica e Social pela Universidade de Bradford, no Reino Unido. Estreou-se como escritor em 2003 com “As Duas Sombras do Rio”. Com suas obras, Coelho amealhou prémios como: Prémio José Craveirinha com “As Visitas do Dr. Valdez”, de 2005; Prémio Leya com "O Olho de Hertzog", em 2009. Em “Ponta Gea”, recente obra com a qual conquistou a 8ª edição do Prémio BCI de Literatura, Paulo Borges Coelho descreve, em 348 páginas, a sua infância na cidade da Beira, no bairro Ponta Gea, numa realidade misturada com fantasia. O Prémio BCI de Literatura tem um valor monetário de 200 mil meticais.

Fonte: O Pais

 
Ver Mais...
Faixa publicitária
Publicidade
Galeria de Eventos
  • Reabertura do Bar Espaço Moçambique

  • "Moçambique - Imagens de um país real..." - Exposiçao de Fotografia de Ana Rita Martins

  • "Comemoração do Dia 4 de Outubro, Dia da Paz em Moçambique e Dia 5 de Outubro, Implantação da Republica"

  • Encontro Sectorial Moda AESE - 28 de Novembro
    Participação de
    duas estilistas
    Moçambicanas
    (Sheila e Adélia Tique)