Get Adobe Flash player
001_Postal
002_Postal
003_Postal
004_Postal
01 (2)
01
04
05
06 (2)
06
07 (2)
07
08
09
10
11
12 (2)
12
13
14
15
18
20
21
23
23042009069
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
38
39
40
41
42
43
44
45
A-Descri��o Ilha de Mo�ambique
B-Postal Ilha de Mo�ambique
C-Ilha de Mo�ambique
D-Ilha de Mo�ambique
E-Ilha de Mo�ambique
F-Ilha de Mo�ambique
G-Ilha de Mo�ambique
Gorongosa3b
H-Ilha de Mo�ambique
I-Ilha de Mo�ambique
J-Ilha de Mo�ambique
K-Fazenda Muchelia
L-Fazenda Muchelia
M-Fazenda Muchelia
N-Fazenda Muchelia
O-Fazenda Muchelia
P-Fazenda Muchelia
Q-Fazenda Muchelia
R-Fazenda Muchelia
S-Fazenda Muchelia
T-Fazenda Muchelia
U-Fazenda Muchelia
V-Reformados da fazenda
X-A caminho da fazenda
Z- A caminho da fazenda
ZAA- Chegada a Nampula
ZAB-Viagem Nampula-Ilha
ZAC-Viagem Nampula-Ilha
ZAD-Viagem Nampula-Ilha
ZAE-Viagem Nampula-Ilha
ZAF-Viagem Nampula-Ilha
ZAG-Viagem Nampula-Ilha
Eventos APM

Novas iniciativas da APM brevemente!

Donativos

Para promover o desenvolvimento cultural, cívico, económico e social de ambos os povos português e moçambicano torna-se necessário o seu contributo, o seu donativo, seja benemérito, apoie esta Associação transfira o seu valor pequeníssimo que seja, para as contas abaixo indicadas e dê-nos, se assim o entender, os seus elementos identificativos.

Banco Espírito Santo(BES)

 

NIB

 

0007 0404 00133490007 85

 
Ficha de Inscrição

Ficha de Inscrição para Sócios

Download versão docx

Download versão Word97/2003

    
Inicio

postheadericon Notícias

postheadericon “UM LIVRO PARA MOÇAMBIQUE”

 

COMUNICADO

A ASSOCIAÇÃO PORTUGAL MOÇAMBIQUE iniciou uma campanha de angariação de livros novos e usados para serem entregues a bibliotecas carenciadas de Moçambique denominada “UM LIVRO PARA MOÇAMBIQUE.

Os critérios preferenciais de seleção dos livros, destinados essencialmente à juventude, são os seguintes: livros de ciências (incluindo matemática e educação visual), livros escolares, de preferência referentes ao 10º, 11º e 12ºanos de escolaridade, gramáticas e dicionários de todas as línguas (incluindo os de verbos), prontuários ortográficos, história universal, romances e livros de contos, de autores de língua portuguesa, entre outros.

A ASSOCIAÇÃO PORTUGAL MOÇAMBIQUE agradece a todas as pessoas e instituições que queiram colaborar nesta iniciativa, procedendo à recolha dos livros que posteriormente contactem a sede através do email Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar a qual diligenciará pela sua recolha.

Oportunamente dará conhecimento público da evolução da campanha.

Porto, Junho de 2018

A Direção
João Pedrosa Russo, Presidente

 

postheadericon ExxonMobil procede expansão do projecto de gás na bacia do Rovuma

A fim de reduzir custos, o grupo norte-americano ExxonMobil vai proceder, em cerca de metade do anteriormente previsto, à expansão de gás natural na bacia do Rovuma. O porta-voz do grupo, Julie King, precisou que o alargamento das unidades de processamento e de liquidificação do gás natural fará com que o custo unitário do projecto seja reduzido, segundo o Macauhub. A Mozambique Rovuma Ventures apresentou ao Governo um plano de desenvolvimento para a primeira fase do projecto Rovuma LNG, que irá extrair, liquidificar e comercializar gás natural dos campos Mamba. O projecto LNG é operado pela Mozambique Rovuma Ventures em parceria com o grupo ExxonMobil, ENI e China National Petroleum.

Fonte: O Pais

 

postheadericon Moçambique volta a formar pilotos de aviação civil

Escola nacional de aeronáutica vai voltar a formar pilotos de aviação civil. O primeiro curso poderá arrancar no início de 2019 graças a um projecto de revitalização da escola que neste momento procura parceiros no Canadá e Estados Unidos de América (EUA). A Escola Nacional de Aeronáutica foi fundada em 1980. É a única no país. Já formou pilotos e outros técnicos de serviços aeroportuários que neste momento ombreiam com homólogos oriundos das mais diversas escolas, em diferentes companhias aéreas do mundo. Depois veio a crise. Hoje a escola apenas forma técnicos de comunicações. O ministro Carlos Mesquita diz que isso tem que mudar. “Actualmente as entidades do sector de aviação são obrigadas a recorrer a diversos países para a formação e treinamento dos seus quadros ou formadores qualificados fora do pais ”diz o ministro. O ministro diz que isso traz custos adicionais para as empresas e naturalmente para os utentes dos seus serviços, para além de ser um problema, também adicional, a gestão de técnicos oriundos de diferentes escolas. “Situação que seria completamente diferente se tivéssemos a ENA a funcionar com uma estrutura a altura das exigências do mercado” acrescentou. Alias, as próprias Linhas Aéreas de Moçambique têm neste momento 11 pilotos em formação na Republica da Africa do Sul. Um curso completo de piloto custa nas escolas internacionais entre 65 e 75 mil dólares, sem contar com despesas de alimentação e alojamento, seguros e outras taxas. Foi por isso que foi criada a comissão de revitalização da Escola Nacional de Aeronáutica que já deu passos significativos, segundo explicou Carlos Mesquita. “Um levantamento já concluído aponta para a necessidade de investimento imediato de cerca de trezentos milhões de meticais sendo o maior desafio a mobilização deste valor junto de potenciais parceiros”. Com efeito no âmbito da sua revitalização a ENA, pretende aliar-se a um parceiro que tenha Know How e equipamentos para não só formar técnicos moçambicanos, como capacitar a escola de modo a ser autónoma na formação de técnicos da aviação civil. É nesta senda que o Ministério dos Transportes e comunicações juntou para alem de membros da comissão criada e que esta a elaborar e implementar o projecto, vários representantes de companhias aéreas, operadores de Handling e banco, tidos como potencias financiadores, para uma reflexão sobre a revitalização da escola nacional da Aeronáutica. Alias, a presença da banca no encontro prende-se também com a necessidade que os estudantes terão de ter financiamento para os seus cursos. Serão pelo menos três milhões e seiscentos mil meticais por estudante. “A banca tem neste projecto uma oportunidade de negocio de financiamento da formação, desenhando pacotes adequados a realidade dos estudantes” defendeu o Ministro. Segundo o ministro, contas feitas, dão conta de que Moçambique vai precisar nos próximos três anos, de mais de três mil profissionais de aviação civil, pelo que a formação é imperativa. Mesquita disse igualmente que só o continente africano vai precisar de mais de 24 mil pilotos nos próximos 20 anos pelo que a escola Nacional da Aeronáutica jamais formaria profissionais sem trabalho. João Pó Jorge e o coordenador da comissão de revitalização da escola Nacional da aeronáutica que apresentou a situação actual da escola e a sua visão para o futuro. Pó Jorge disse na sua apresentação que a escola vai arrancar um curso de 20 pilotos que serão ministrados por especialistas estrangeiros com o objectivo de estes deixarem o Know how e os equipamentos e mais para que futuramente sejam os próprios técnicos Nacionais a formar outros. “Vão formar 20 pilotos nos primeiros dois anos, e vão utilizar isso como um treino para a Escola Nacional de Aeronáutica capacitar o seu pessoal. Estamos a pedir que tragam avião, simulador, equipamentos de ensino, manuais, procedimentos e normas de qualidade, e que deixem aqui na Escola Nacional tudo isso” esclareceu, acrescentando que isso vai permitir que num período de dois ou três anos a ENA se transforme num centro de excelência de formação de profissionais aeronáuticos. Sem precisar a data, o coordenador da comissão de revitalização da ENA, disse que o primeiro curso, com duração de 20 meses poderia arrancar no principio de 2019, pois neste momento esta – se num processo de identificação de um parceiro que poderá vir dos Estados Unidos ou do Canadá.

Fonte: O Pais

 
Ver Mais...
Faixa publicitária
Publicidade
Galeria de Eventos
  • Reabertura do Bar Espaço Moçambique

  • "Moçambique - Imagens de um país real..." - Exposiçao de Fotografia de Ana Rita Martins

  • "Comemoração do Dia 4 de Outubro, Dia da Paz em Moçambique e Dia 5 de Outubro, Implantação da Republica"

  • Encontro Sectorial Moda AESE - 28 de Novembro
    Participação de
    duas estilistas
    Moçambicanas
    (Sheila e Adélia Tique)